Logotipo BRC News

Amazonas retorna à fase de risco ‘muito baixo’ para Covid-19, mas Saúde faz alerta

O Amazonas retorna à fase verde com risco “muito baixo” de transmissão para a Covid-19. O novo indicador ocorre devido à redução de casos e óbitos e da ocupação dos leitos hospitalares de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) destinada a pacientes com a doença. O novo boletim epidemiológico com o cenário atualizado está disponível no site.

Apesar da redução dos casos de Covid-19, as autoridades de saúde do estado alertam para a sazonalidade dos vírus observados com o período chuvoso que segue, normalmente, de novembro a abril, e destacam a importância de medidas de prevenção como a etiqueta respiratória e uso de máscara para quem apresenta sintomas gripais.

A análise epidemiológica de Covid-19 e vírus controlados é produzida pela Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas – Drª Rosemary Costa Pinto (FVS-RCP). O boletim é consolidado com base em indicadores de casos, óbitos, hospitalizações, cobertura vacinal e vigilância genômica.

Especificamente de Covid-19, uma análise epidemiológica atualizada corresponde ao período dos últimos dois meses (12 de outubro a 12 de dezembro) com destaque para o período de 14 dias que vai de 29 de novembro a 12 de dezembro.

Nos últimos dois meses, foi registrado o aumento dos casos em Manaus a partir da segunda semana de outubro, seguido de redução a partir do dia 2 de novembro.

No interior do estado, o aumento gradual foi registrado com pico em 23 de novembro, seguido de redução. Já no período de 14 dias (29 de novembro a 12 de dezembro), foi registrada uma redução de 64% na média diária dos casos de Covid-19 no estado.

Conforme a vigilância genômica, que identifica as variantes circulantes do vírus SARS-CoV-2 nos casos confirmados de Covid-19 do estado, nos últimos dois meses, foram sequenciados 740 genomas, dos quais 611 foram identificados como subvariante BA.5 da Ômicron, com maior proporção de genomas da sublinhagem BE.9 (60%).

A redução dos indicadores também foi observada na ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) destinada a pacientes com Covid-19 na rede de atendimento público e privado. Nos últimos dois meses, uma diminuição foi de 72 para 65 leitos de UTI ocupados por pacientes com a doença. No período referido de 14 dias (29 de novembro a 12 de dezembro), foram registrados 4 óbitos pelo vírus SARS-CoV-2.

Situação vacinal

Ainda conforme o boletim epidemiológico de Covid-19, nos últimos dois meses, foram 217 pacientes internados com idade de 3 anos ou mais. Desses, 26% não tomaram nenhuma dose da vacina contra a Covid-19. A diretora-presidente da FVS-RCP, Tatyana Amorim, destaca a importância de manter o cartão de vacina atualizado.

“Com o esquema vacinal dessatualizado, a tendência é o agravamento do quadro clínico de forma que requer internação. É importante destacar que, entre os maiores de 12 anos, com acesso às doses de reforço, as pessoas com esquema desatualizado apresentam risco 8,1 vezes maior de adoecer e 13,1 vezes maior de hospitalização do que quem está atualizado no esquema vacinal” , destaca Tatyana.

Prevenção a vírus protegidos

Apesar da redução do risco de transmissibilidade da Covid-19, o Amazonas apresenta sazonalidade para vírus protegidos. O diretor técnico da FVS-RCP, Daniel Barros, destaca a importância de a população buscar medidas preventivas à transmissão desse vírus.

“No período da segunda quinzena de outubro à primeira quinzena de dezembro, foram identificados dois casos de influenza. Então, já enfrentamos a circulação desse tipo de vírus. Por isso, é tão importante que a população se previna e, caso tenha sintomas, procure uma unidade de saúde mais próxima para buscar atendimento médico”, finaliza o diretor.

Foto: Arquivo/Secom

Últimas Notícias

Rolar para cima